Siga Marcello Reis no FOICEbook

terça-feira, 28 de dezembro de 2010

A verdade da invasão no Complexo do Alemão...UMA COISA É UMA COISA, OUTRA COISA É OUTRA COISA.






UMA COISA É UMA COISA, OUTRA COISA É OUTRA COISA.

José Alberto Tavares da Silva.

O autor é oficial do Exército, na patente de Coronel e estrategista de ações urbanas. Integrante do Grupo Especial de Ações Inibitórias das Forças de Paz - ONU....


Passado o OBA-OBA das ações policiais exaustivamente exploradas pela imprensa amestrada, e cessados os ruídos maiores das “operações militares” que envolveram as forças armadas, é necessário fazer uma reflexão sobre muita coisa ocorrida porque, afinal de contas, nem sempre, no fundo, as coisas são como se apresentam na superfície.

UMA COISA é a versão das autoridades, divulgadas pela imprensa, de que o motivo da baderna instituída na cidade do Rio de Janeiro foi a instalação das tais UPP nos morros. Na verdade, o que consta sobre o assunto é que a manifestação de desagrado dos bandidos se deu em face do rompimento de um acordo sobre o pagamento de propinas.

OUTRA COISA é a informação das autoridades de que o crime organizado está sob controle e outra, bem diferente, foi a demonstração de força dada pelos bandidos em toda a cidade.

UMA COISA foi a divulgação, pelo Sérgio Cabral, de que a intervenção das forças federais atendeu a uma solicitação do governo do estado.

OUTRA COISA, foi a intervenção direta do Lula no problema por não suportar mais uma situação que, inclusive, já estaria prejudicando a imagem do Brasil no exterior.

UMA COISA foi a tal Diretriz expedida pelo ministro general Jobim sobre o emprego das forças armadas.

OUTRA COISA foi a reunião de Lula diretamente com os comandantes companheiros e as ordens para que providenciassem, com urgência, o emprego de suas forças.

UMA COISA foi a aceitação, pelos comandantes militares, da quebra do princípio de emprego das forças armadas em situações de conflitos de natureza interna sob o argumento de manutenção da lei e da ordem.

OUTRA COISA foi a aceitação e o cumprimento pressuroso das ordens diretas do PR no momento em que um novo governo está sendo montado e serão definidos os companheiros comandantes das forças singulares.

UMA COISA foi o emprego de helicópteros militares de várias procedências para localizar e fustigar a bandidagem espalhada por todos os cantos dos morros. Pirotecnia a toda prova.

OUTRA COISA foi a permissão dada pelas autoridades para que as aeronaves militares fossem “policiadas” por outras pertencentes às diferentes cadeias de televisão, impedindo, assim, a faxina de dezenas de bandidos em campo aberto, correndo carregando armas, montados em motos e enchendo carrocerias de caminhonetes. Um espetáculo vergonhoso, mas perfeitamente condizente com a defesa dos preceitos dos atuais governantes.

UMA COISA foi realizar obras do PAC nas favelas.

OUTRA COISA foi a interveniência dos chefes do tráfico para que fossem realizadas alterações nos projetos, de modo a criar vias de escape, como, de fato, aconteceu, com as fugas pelas galerias pluviais.

UMA COISA foi realizar o “cerco completo” do complexo do Alemão.

OUTRA COISA deixar livre uma das saídas para a evasão dos “sócios”.

Uma coisa foi a fuga dos bandidos do complexo do Alemão.

Outra, muito difícil de controlar, é a dispersão dessa gente fina não só pelos outros morros do Rio, mas, como parece já estar acontecendo, migrando para outros estados.

UMA COISA são as passeatas dos calhordas vestidos de branco pedindo PAZ, desfilando pela Avenida Atlântica.

Outra coisa são as reuniões deles mesmos, nas coberturas elegantes do bairro, para cheirar as “carreirinhas da branquinha”.

Pacifistas, são os maiores patrocinadores de todas as desgraças.

UMA COISA são as ONGs que se dizem preocupadas com os Direitos Humanos.

Outra, são os repasses de verbas, gastas sem prestações de contas, enriquecendo muitos companheiros malandros.

Uma coisa é manter 800 homens da brigada pára-quedista por 10, 20 ou 30 dias.

Outra, muito diferente, é manter esses mesmos homens por oito meses, com repercussões administrativas, de instrução, e, mesmo, de disponibilidade para emprego em situações de maior gravidade.

Uma coisa, segundo relato que circula na internet, é um agente da PF dizer para um cabo pára-quedista, que ganha quase dez vezes mais que este, sempre às voltas com missões de alto risco.

Outra, muito pior, é constatar que esse mesmo agente ganha mais do que muita gente graduada da brigada pára-quedista, o que é fácil de conferir.

Uma coisa é ação pirotécnica. Forças armadas, helicópteros, carros blindados, armas de grosso calibre, televisões ao vivo e em cores, etc., etc.

Outra coisa é NÃO AGIR internacionalmente, junto aos provedores das drogas, confraternizando permanentemente com Evo Morales, o Cocaleiro e o bispo paraguaio que preside o principal supridor de maconha.

E, para não deixar em situação difícil os companheiros das FARC, também grandes fornecedores do pó maldito, mas amigos do FORO DE S.PAULO, ainda dão emprego, a pessoa indiscutivelmente ligada às tais forças, no próprio governo, para, curiosamente, trabalhar na Secretaria da Pesca.

Pescando o quê?

POIS É. UMA COISA É UMA COISA. OUTRA COISA É OUTRA COISA.





Ass: Cesar Soares e Marcello Reis

Nenhum comentário: