Siga Marcello Reis no FOICEbook

quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

Não existe oposição, é tudo embromação, só tem LADRÃO!!!


Já percebemos que a oposição não existe e que fecharam um acordão com o governo faz tempo, tudo foi só teatrinho: sejamos nós a contestar um esquema mafioso que pretende perpetuar-se no poder!!!

OPOSIÇÃO DÁ MAIS UM PASSO PARA SUA AUTO-DESTRUIÇÃO E ABRE O CAMINHO PARA A VENEZUELIZAÇÃO DO BRASIL
de Aluizio Amorim
Leiam esta notícia que está no site de O Globo e que transcrevo na íntegra após este prólogo. Notem que tipo de Oposição é o PSDB. O partido está virando as costas para os seus eleitores e Geraldo Alckmin recebe o Duda Mendonça, unha e carne de Lula, de quem ouve conselhos.
Com o DEM engalfinhado numa briga interna e com o Kassab com um pé no PMDB, estamos assistindo a rendição da SUPOSTA Oposição e o trololó das 'ações propositivas'. Os 44 milhões de eleitores que deram o voto a José Serra e ao próprio Alckmin em São Paulo estão sendo traídos, abandonados de forma vil e traiçoeira.
Já não existe mais oposição. Tanto é que esse poltrões que se dizem da oposição não foram sequer capazes de pelo menos propor um nome oposicionista como candidato à presidência da Câmara.
São atitudes como essas que matam a democracia. O PT não precisa mover uma palha para venezuelizar o Brasil e o serviço sujo é feito pela - pasmem - oposição! Inacreditável! Leiam:

De olho na imagem, o governador tucano Geraldo Alckmin recebeu na terça-feira, em seu gabinete no Palácio dos Bandeirantes, o publicitário Duda Mendonça, responsável pela campanha vitoriosa de Luiz Inácio Lula da Silva em 2002 e réu no escândalo do mensalão do PT. Com o tucano, Duda trocou experiência de seus projetos com o PT e chegou a sugerir slogans que aproximem mais o governo do povo. Ele lembrou do mote do governo Lula, "um governo para todos". Duda já é responsável pela publicidade da Secretaria estadual de Transportes, e tem feito gestão para assumir a conta de todo o governo, segundo interlocutores.
O PSDB prepara o programa político-partidário que vai ao ar em 3 de fevereiro procurando equilibrar o espaço que dará aos principais integrantes da legenda. Há duas semanas, os tucanos começaram a ouvir representantes do alto escalão, como o ex-presidente Fernando Henrique, destacado como consultor informal para a peça publicitária. Além de acomodar os líderes do partido, sem ferir egos, tem sido da responsabilidade de FH otimizar um discurso propositivo, agora sob a batuta do publicitário mineiro Eduardo Guedes. O marqueteiro Luiz Gonzalez, responsável pelas últimas campanhas do partido, não está envolvido.
Se mantido o consenso, os tucanos não pretendem, neste momento, subir o tom contra o governo de Dilma Rousseff. Entendem que uma postura dessa pode ser interpretada como uma espécie de "dor de cotovelo", já que saíram derrotados da eleição presidencial. A ideia do partido é aproveitar o espaço para "olhar para frente", com propostas não só na área econômica ou de infraestrutura, mas, principalmente, de forte viés social.
Os tucanos tratam do imbróglio que se transformou a acomodação de todos os nomes de destaque da legenda, em tempo milimetricamente cronometrado. Em dez minutos, o programa terá de apresentar os projetos de governadores eleitos, como o paulista Geraldo Alckmin e o paranaense Beto Richa, assim como dar voz ao senador eleito por Minas Gerais Aécio Neves e ao candidato derrotado à Presidência José Serra. Com cargo de senador válido apenas até fim de janeiro, já que não foi reeleito, Tasso Jereissati também estaria exigindo destaque na TV.
A direção do PSDB se reúne nesta quinta-feira, em São Paulo, para discutir detalhes do programa. O marqueteiro, que nesta quarta-feira deixava Minas em direção a São Paulo, disse que não poderia revelar as diretrizes.
- O Sérgio Guerra (presidente nacional do PSDB) é quem está à frente. Assim que ele me autorizar, poderemos conversar - disse Guedes. Do portal de O Globo

Assinado.
Marcello Reis

Nenhum comentário: