Siga Marcello Reis no FOICEbook

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

Recompensa de US$ 1,7 milhão para quem capturar o ditador líbio Muammar Gaddafi vivo ou morto!!!



Pôster divulgado pelo grupo de mídia oposicionista Al-Manara propõe recompensa de US$ 1,7 milhão para quem capturar o ditador líbio Muammar Gaddafi vivo ou morto. O grupo convocou a população para pendurar o pôster por toda a Líbia. Segundo a revista francesa "Paris Match", comandos especiais das forças rebeldes na Líbia chegaram perto de capturar e derrubar Gaddafi na quarta-feira (24) quando realizaram uma operação em uma residência em Trípoli onde o líder parecia estar escondido.

VALE A PENA RELEMBRAR



Lula ataca mídia e chama Kadafi de 'amigo e irmão'

02 de julho de 2009 | 9h 34

AE - Agencia Estado
Único convidado de honra presente à Cúpula da União Africana, aberta ontem, em Sirte, na Líbia, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva responsabilizou os países industrializados pela crise do sistema financeiro e pelo ?caráter perverso da ordem internacional?. A fala do brasileiro, aplaudida por chefes de Estado e de governo e por líderes tribais africanos, foi sucedida por críticas à imprensa pelo que considerou ?preconceito premeditado? por sua proximidade com ditadores da região. O discurso começou com Lula dizendo ao ditador líbio Muammar Kadafi: ?Meu amigo, meu irmão e líder?.
A participação do presidente na cúpula, que está em sua 13ª edição, foi ressaltada pela ausência dos demais convidados especiais. Silvio Berlusconi, primeiro-ministro da Itália, e Ban Ki-Moon, secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), cancelaram suas participações, anunciadas como certas pelo cerimonial do evento até a véspera. Outro ausente foi Mahmoud Ahmadinejad, presidente do Irã, cuja falta não foi justificada publicamente. Ahmadinejad ficaria sentado ao lado de Lula, que por sua vez ficaria ao lado de Kadafi, que está no poder desde 1969, quando assumiu o controle do país em um golpe de Estado aos 27 anos de idade.
Logo de início, o presidente Lula elogiou ?a persistência e a visão de ganhos cumulativos que norteia os líderes africanos? e ressaltou que ?consolidar a democracia é um processo evolutivo?. A partir de então, o presidente deu início a repetidas críticas aos países industrializados. Lula afirmou que ?a crise financeira e econômica mundial revela a fragilidade e o caráter perverso da atual ordem internacional? e parafraseou o primeiro-ministro do Reino Unido, Gordon Brown, ao sustentar que ?o consenso de Washington fracassou?. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.


Lula se reuniu quatro vezes com o 'amigo e irmão' Kadafi
Publicada em 21/02/2011 às 23h34m
Jailton de Carvalho


BRASÍLIA - Ao longo de seus oito anos de mandato, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva teve pelo menos quatro encontros com o ditador líbio Muamar Kadafi. Numa das reuniões, na abertura da Cúpula da União Africana, em Sírte, na Líbia, em 1º de julho de 2009, Lula chamou o ditador de "amigo e irmão".

Em todos os encontros, Lula e Kadafi criticaram os países ricos e pediram mais aproximação entre os países da América do Sul e da África. Kadafi chegou a propor uma aliança militar entre os países das duas regiões ao moldes da Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte).

11/03/2011 às 14:17
Lula, o “irmão de Kadafi”, agora dará palestra à Al Jazeera

O ex-presidente da República e apedeuta permanente Luiz Inácio Lula da Silva fará no próximo domingo uma palestra num seminário promovido pela rede AL Jazeera de TV, em Doha, no Catar. Na margem: perguntam-me por que escrevo “Catar” em vez de “Qatar”. Porque, em português, este “q” sozinho, sem o “u”, não faz verão; ou bem se escreve “Quatar”, mudando-se a pronúncia (”Cuatar”) ou bem se escolhe “Catar” (ou “Katar”). “Qatar” é impossível; o “q”, sem um “u”, é assim como Claudinho sem Buchecha…, também com “u”. Mas volto.

A Al Jazeera pertence ao estado do Catar. O seminário, neste ano, vai debater o levante no mundo árabe — ou em quase todo o mundo árabe, né? A população do Catar, por exemplo, parece estar contente com a sua ditadura, da qual a emissora está proibida de falar. A da síria também. O emirado tem uma renda per capita de mais de US$ 80 mil; a Síria, de pouco mais de US$ 4 mil.  Fica para reflexão. Sigamos. A Al Jazeera foi uma grande incentivadora do levante.

Lula foi convidado para falar sobre a consolidação da democracia no Brasil, mas certamente não se furtará a estender seu olhar sobre a paisagem mundial. É uma boa chance de explicar por que, até outro dia, andava de braços dados com todos os ditadores que agora estão em apuros, a começar de Muamar Kadafi. Em julho de 2009, convidado de honra do governo líbio para a Cúpula da União Africana, referiu-se ao ditador como “meu amigo, meu irmão e líder”. Lula elogiou, então, “a persistência e a visão de ganhos cumulativos que norteia os líderes africanos”. Deu uma resposta àqueles que lembravam que estava fazendo salamaleques para tiranias: “Consolidar a democracia é um processo evolutivo”. Na seqüência, desceu o porrete nos países industrializados, os mesmos que hoje se empenham em depor o Kadafi que ele abraçava!

Na era de “líderes” como Barack Obama, Nicolas Sarkozy e David Cameron, é compreensível que Lula seja confundido com um iluminista.

Por Reinaldo Azevedo




Assinado
Marcello Reis
Fundador Revoltados ON LINE


Nenhum comentário: