Siga Marcello Reis no FOICEbook

sábado, 23 de junho de 2012

COMISSÃO DA VERDADE - LUIS NASSIF





COMISSÃO DA VERDADE - LUIS NASSIF

Não sou fã do jornalista e blogueiro Luis Nassif, é integrante de grupo que recebem do governo para defende-lo.
Esta é segunda vez que irei concordar com ele, a primeira foi em um seminário sobre matriz energética e energia em 2005/06. Vale e pena ler. Leiam e reflitam (Marcos Maher)

A VERDADE É FILHA DO TEMPO, NÃO DA AUTORIDADE" -( GALILEU GALILEI )

sábado, 26 de maio de 2012

OS OBJETIVOS DA COMISSÃO DA VERDADE –

Luis Nassif

A Comissão da Verdade NUNCA foi uma demanda da sociedade brasileira, que tem outras e muito mais reais preocupações, conforme pesquisa conduzida pelo próprio Governo através do IPEA. A população brasileira tem como primeira preocupação a violência de que é vítima nas ruas, nas casas, nas escolas, nos latrocínios, nos arrastões, violência essa que parece não incomodar a mínima a esquerda que no seu subconsciente acha que o assaltante é ao final um coitadinho que apenas está fazendo justiça social.

A Comissão da Verdade é um PROJETO político da esquerda radical, que não está nem aí para as famílias das vítimas, usadas como cobertura do projeto e sim com o CAPITAL POLITICO que pretende gerar com essa Comissão, emparedando as Forças Armadas para ao final enfraquecê-las.

Os governos pós-regime militar não se arriscaram com esse projeto, nem o próprio Lula se entusiasmou com a instalação dessa comissão, o atual Governo, não obstante o equilíbrio e a sensatez da Presidente Dilma, pareceu sem forças para resistir a essa investida da esquerda radical e tentou minimizar a pressão com a indicação de dois nomes mais centrados, José Carlos Dias e Gilson Dipp, o que de imediato gerou protestos dos radicais, que queriam uma Comissão 100% esquerdizante.

O custo político para o Governo será alto.

No meio militar não há ilusões quanto às reais intenções dos “pais” dessa Comissão, especialmente do seu obvio “líder”, Paulo Sérgio Pinheiro, o mesmo que operou, de dentro da Comissão Interamericana de Direitos Humanos da OEA, onde era Vice-Presidente, a montagem do processo originário de uma denúncia de parente de guerrilheiro do Araguaia, apresentada em 2009 que evoluiu para um processo de condenação do Brasil na Corte de São Jose. Paulo Sérgio Pinheiro, um típico esquerda de salão de nível internacional, é determinado, preparado, bem conectado e tem um projeto definido, conhece como ninguém os bastidores desse movimento internacional de direitos humanos aparentemente neutro, mas na realidade cabeça de ponte de objetivos muito mais altos.

Em um momento que o Estado brasileiro deveria dar a partida para um grande projeto de 'upgrade' de suas Forças Armadas, para elevá-las ao nível de importância do Brasil na ordem global, considerando que o Brasil está MUITO ABAIXO dos outros BRICs no potencial militar, neste momento crucial o Estado brasileiro se dá ao luxo de desprestigiar ao máximo suas Forças Armadas ao colocá-las no banco dos réus como se marginais fossem, detonando um capital vital para a operação militar, qual seja o prestígio e o apoio que o Estado dá à sua Instituição Militar.
Os outros grandes emergentes, a Rússia, a China e a Índia jamais cairiam nessa armadilha e suas Forças Armadas, se fosse possível um ranking de violência, fariam as nossas serem inocentes escoteiros, mas nenhum desses grandes Estados cogitou de colocar suas forças armadas como rés de um processo público de desmoralização avalizada pelo Estado.

Não venham com o exemplo do Chile. As Forças Armadas chilenas são a instituição mais forte do País até hoje, as forças mais bem equipadas da America Latina, não houve nenhum processo de julgamento da Instituição Militar chilena, cujo currículo de violação de direitos humanos é infinitamente mais pesado do que se acusam as do Brasil e olhe que o Chile em população é menos de um décimo da que é o Brasil. A Instituição Militar chilena manteve toda sua estrutura intacta, sua participação no Orçamento é vinculada à arrecadação, nunca tiveram falta de verbas ou sucateamento.

Os processos de saída dos regimes militares argentino, chileno e uruguaio foram completamente diferente do brasileiro, suas anistias foram auto-concedidas e não negociadas e se referiram apenas ao lado militar e não aos seus adversários, portanto comparar os processos é uma fraude intencional.

Como diria o Príncipe de Talleurand, esse projeto mais que um crime, é um erro e o Brasil nada ganha com ele. O resultado de Forças Armadas desmoralizadas é que no futuro os jovens não mais verão na carreira militar um atrativo, ninguém quer atrelar seu futuro a uma Instituição enfraquecida, tampouco um jovem vai fazer sacrifícios em favor de uma corporação desmoralizada, um País das dimensões do Brasil fará uma loucura em tornar dispensável uma das mais importantes Instituições que formaram o País através de séculos de História.

NOTA: Esses objetivos estão sendo ignorados pelos nossos CHEFES MILITARES, que preferem manter suas funções, porém, quando acordarem e quiserem reagir será tarde demais: as FORÇAS ARMADAS estarão desmoralizadas e desacreditadas e ninguém desejará ingressar nas mesmas... A profissão militar se tornará uma profissão de 3ª classe... QUEM VIVER VERÁ!



Assinado
Marcos Maher
Administrador Revoltados ON LINE

Nenhum comentário: